Saudades da melhor dentista-pessoa que eu conheço.

Bruna Graneto Menezes | Porto Alegre
   
   
   

A Ortopedia Funcional dos Maxilares faz parte da Medicina ou da Odontologia?
L:É uma especialidade da Odontologia Brasileira ela é carinhosamente conhecida por OFM.
 
Quais os dados históricos da OFM no Mundo e no Brasil?
L: Seus estudos foram catalogados a partir de 1902, com Pierre Robin, na França. O seu maior desenvolvimento, e reconhecimento, deu-se na década de 40, principalmente na Europa, onde é largamente usada. Estudiosos e notáveis como Bimler, Escheler, Frankel, Blau, Planas, Simões, entre outros, enriqueceram, solidificando seus princípios.
Atualmente, com um pouco mais de 1000 especialistas em OFM, o Brasil torna-se um dos países das Américas a possuir o maior número de especialistas.

O que é a Ortopedia Funcional dos Maxilares?
L: A OFM através da Reabilitação Neuro Oclusal é uma especialidade da Odontologia que investiga as causas e possui métodos e condutas clínicas de tratamento e de prevenção tanto para os problemas de má-oclusão (dentes mal posicionados) quanto para questões funcionais na boca.

É verdade que alterações na boca podem causar problemas no corpo?
L: Sim, alterações morfo-funcionais na boca podem causar comprometimentos, de níveis até muito severos, no corpo como um todo.

Como assim?
L: São vários os exemplos. Podemos elencar o da Mordida Aberta(MA), por exemplo: indivíduos que são portadores de MA possuem interposição de língua entre os dentes e por conseguinte alteração do lugar correto da língua. Com isto, muda a posição do osso hióide, das ATMs, das arcadas, dos dentes, do pescoço, da cabeça, dos ombros, dos braços, do triângulo de Tales, da cintura pélvica, dos joelhos e dos pés. Como se vê o corpo como um todo vai sofrendo adaptações buscando resolver suas questões de equilíbrio e de gasto energético.

Qual a melhor forma de tratar um caso destes?
L: Pedindo uma licença filosófica, entendemos que a primeira, a melhor, mais barata e mais efetiva forma de tratar problemas morfo-funcionais na boca e problemas posturais descendentes, é através do conhecimento. Ou seja, quando ensinamos os pais como se pode prevenir ou reconhecer as primeiras mudanças, mesmo as mais pequeninas, estaremos diminuindo, senão impedindo, a instalação da adaptação e o agravamento delas com o passar da idade. Com certeza esta é a melhor forma de tratar. Todos saem ganhando. E este é o princípio filosófico da OFM.

 E se já está com o problema?
L: Bem, se o problema já está instalado, é importante que se inicie a correção o mais rápido possível buscando evitar o aumento da severidade do caso. O que fazer exatamente depende de cada caso (do diagnóstico). Não há receita. Pode-se utilizar variada forma de tratamentos: desde saltinhos, desgastes seletivos orientação mastigatória, orientação respiratória até aparelhos ortopédicos funcionais, entre outros. Para que o Ortopedista Funcional decida por esta ou aquela decisão de tratamento, é bom frisar, requer análise e estudo de vários componentes - desde uma anamnese profunda e detalhada, um exame clínico atento e exames complementares. Além disso é interessante se notar que a OFM não trata de posições dentárias e sim de um sistema complexo onde os dentes são uma parte, apenas. A Ortopedia Funcional busca equilibrar as funções da boca e de seus anexos. A estética dental é o resultado de um sistema bem equilibrado e com o mínimo gasto energético.
 
Quais são as funções da boca?
L: A boca é dotada de diversas e vitais funções e que somente ela pode realizar. A mais importante é a mastigação. Com esta função há mais uma seqüência de funções interligadas, como a sucção, captação do alimento, verificação de alimentos venenosos, morder, salivação, deglutição, vômito, fala, respiração, além de sensações prazerosas como o beijo, entre outras funções.
 
A Sra. falou que uma função da boca é respirar? Mas respirar pela boca não é ruim?
Olha só como você está atenta. É isto mesmo! A boca tem a função de respirar, porém respirar rotineiramente por ela, não é recomendável. Veja só, o oxigênio para a sobrevivência do homem é tão importante que a natureza providenciou duas entradas de ar - pelo nariz e pela boca, sendo que esta última é o que se chama de via de emergência. Ou seja, é para ser usada em momentos de urgência, quando o nariz por algum motivo não pode cumprir seu papel. Passada a emergência, o nariz deve voltar, o mais rápido possível, a exercitar sua nobre função de equalizar o ar para os pulmões e conseqüente distribuição para as células.
 
Eu vejo fotos de muitas modelos famosas e muitas vezes elas estão com os lábios entre abertos. Elas estão respirando pela boca?
L: Não é possível afirmar sem um exame, porém é muito provável que estas modelos tenham desenvolvido o hábito da Respiração Bucal (RB), até por questão profissional - pois há um galmour, um apelo de sensualidade quando só lábios estão entre abertos. Este ponto levantado é muito importante, pois muitas adolescentes procuram copiar esta performance, e acabam desenvolvendo o hábito da RB, por imitação. Isto acontece também em casa, no colégio entre conhecidos. Imitam por parecer mais sedutor, mais risonho, mais amistoso. No entanto não sabem o dano que manter a RB como característica respiratória, no organismo como um todo.
 
Porque dizem que a Respiração Bucal é faz um mal danado?
L:  Porque em caso de o ar estar frio, a boca não tem condições de aquecer o ar para os pulmões;
Porque em caso de o ar estar quente, a boca  não tem condições de resfriar o ar que irá para os pulmões;
Porque a boca não tem condições de filtrar as minúsculas partículas de impurezas que estão no ar, para enviar ar bem limpo aos pulmões;
Porque se a atmosfera está muito seca a boca não pode hidratar o ar que vai entrar para os pulmões;
Quem pode e deve fazer isto tudo é o nariz;
Quando respiramos pela boca 30% do ar vai direto para o estômago e par ao pulmão vai somente 70%;
Quando abrimos a boca para respirar também abrimos uma porta que pré-dispõe a doenças respiratórias;
Quando abrimos a boca para respirar, a língua sai do lugar ideal e como estopim altera o equilíbrio funcional dos músculos faciais;
Quando abrimos os lábios para respirar, também o paladar, o cheiro e até a audição podem ficar alterados;
Quando respiramos pela boca (RB) na maior parte dos casos comprometemos também nossa postura corporal e nosso rendimento escolar.
entre outras coisas...
 
E que podemos fazer para evitar isto tudo?
L: O assunto é vasto, mas podemos começar com o seguinte: a mamãe deve procurar amamentar seu bebê por um mínimo seis meses. A amamentação vai criar uma base óssea ótima para o nascimento correto dos dentinhos de leite e no futuro, dos permanentes. Os pais devem procurar desestimular, na criança, qualquer tipo de hábito como uso de chupetas, mamadeiras e do próprio dedo, E principalmente procure não oferecer chupetas quando o próprio bebê as cospe fora. Devemos cuidar para que o bebê ou a criança não durma com o braçinho debaixo do travesseiro ou da mandíbula e com a boquinha aberta. E o mais importante é  oferecer alimentos duros, secos e fibrosos para a criança. Somente uma mastigação forte e vigorosa vai colaborar para o  desenvolvimento adequado dos ossinhos da boca e de seus anexos. Também é importante manter as narinas dos bebês e crianças limpinhas, porque todos os dias com esta poluição que vivemos, há craquinhas dentro do nariz e você sabe que qualquer coisa no nosso nariz faz a gente abrir a boca par respirar, no bebê também.
 
   
Fale um pouco sobre os aparelhos Quando são usados?
L: Bem, se utilizam aparelhos ortopédicos funcionais (que não fazem nenhum tipo de força ou pressão), sempre quando não é possível usar dos expedientes mais acima descritos.
 
Como são os aparelhos ortopédicos funcionais?
L:São aparelhos bi-maxilares e totalmente soltos dentro da boca. Eles se encaixam nos dentes sem, no entanto, ficar preso neles.
 
Estes aparelhos também doem?
L: Não e em nenhum momento podem doer. Se por ventura isto acontece, o cliente deve entrar em contacto urgente com o Ortopedista Funcional, para que seja corrigido o problema.
 
Estes aparelhos são as famosas plaquinhas?
L: Não. Placas são placas e aparelhos Ortopédicos Funcionais são aparelhos que atuam nas causas do problema e não apenas, nos sintomas.
 
Outro dia Sra. falou que o aparelho é totalmente solto dentro da boca. Como é que ele empurra os dentes?
L: Ele não empurra dentes! Ele trabalha por estímulos intermitentes, suaves e sutis e o osso vai mudando de posição - e com ele todos os outros tecidos e órgãos, como os dentes, por exemplo.
 
Como assim?
L: Bem imagina que você no ônibus senta do seu lado uma pessoa que se espalha muito na poltrona, abre os braços, as pernas tocando em você. Se não for do seu interesse ficar grudado nela (risos) o que você fará?

Vou me afastar para o cantinho.
L: Exato. Usando esta alegoria, podemos dizer que quando o aparelho encosta sutilmente em lugares determinados, a boca se afasta. Aí o importante é sabermos para que lado queremos que a boca vá, não é.
 
Os aparelhos são comprados prontos?
L: Não, cada aparelho é ‘esculpido’ a mão. Em nosso consultório, eles são verdadeiras obras de arte. A confecção de um aparelho passa por um profundo estudo do caso e decisão de que tipo de estímulo é preciso para ajudar o corpo a buscar seu equilíbrio cibernético. Depois, ele é confeccionado, peça por peça, pela nossa protética - que aliás é uma artista, uma pessoa maravilhosa e super atualizada.
 
O que o aparelho ortopédico funcional faz na boca das pessoas?
L: Esta resposta é difícil de sintetizar. Vou começar por alguns conceitos. A primeira coisa é ter o correto entendimento, do que venha a ser normal, correto - biologicamente falando. A segunda parte é entender que um aparelho ortopédico funcional é constituído de duas partes: uma parte biológica e outra parte, tecnológica. E a última parte é saber exaustivamente que devemos procurar a causa do problema. É necessário conhecer muito bem as variáveis do que está acontecendo nos tecidos crânio-mandibulares, nas relações entre os maxilares, nas diversas partes do corpo envolvidos e qual o nosso objetivo. Se tivermos estas questões respondidas o especialista, poderá iniciar a tomar decisões quanto ao desenho do aparelho.Depois. quando o aparelho estiver em boca e com atenção aos protocolos de uso, ele buscará modular, interferir ou controlar o crescimento ou a remodelação dos elementos biológicos envolvidos.  Enfim, é possível dizer que o aparelho possui a missão de ajudar o sistema da pessoa a se recompor das desordens fisiológicas que o estão prejudicando, com possíveis alterações na forma e nas funções do sistema estomatognático. Muitas vezes invisíveis a um olhar desatento.
 
E o tempo de tratamento é muito longo?
L: Este é outro ponto polêmico, pois existem variáveis a considerar na velocidade do tratamento para definir o tempo aproximado. Estas variáveis vão desde, a idade do indivíduo, os silêncios hormonais, o problema, as intercorrências, as causas, o tipo de renovação celular, o rigor da resposta tecidual ao crescimento espontâneo ou modulado, o entendimento por parte da família, o comprometimento do cliente, a atenção aos protocolos,..., até a fortaleza de sua auto-estima frente a observação das outras pessoas. Usar Ortopedia Funcional dos Maxilares é maravilhoso porque este tratamento dá liberdade ao cliente. Sempre que precisar, é possível retirar o aparelho. Isto é uma coisa fantástica - você pode ir na sua festa de 15 anos, no casamento, na prova oral, na balada, no trabalho, no seu esporte..., sem aparelho. Porém, também há o outro lado, se você remove muito, o tempo se alonga - pois ele só estará agindo na remodelação quando em boca. Em nosso consultório utilizamos um método motivacional de conscientização, de forma a compor perfeitamente os momentos de retirada social com o uso correto. Finalizando a questão do tempo, dependendo do caso, ele se compara com outras técnicas. A grande diferença é a severidade do caso, ou seja, quantas outras estruturas - além do dente, estão envolvidas no problema. O tempo e a forma do uso da OFM são os grandes aliados que buscam alterar, um sistema caótico em um sistema caórdico.
 
É verdade que só as crianças podem se tratar com Ortopedia Funcional dos Maxilares?
L: Não, de forma alguma. Este pensamento é um equívoco. A aplicação clínica, da OFM, inicia lá na criança, passa pelo adolescente, pelo adulto jovem e vai até o adulto idoso.
 
Com que idade dá para começar o tratamento com OFM?
L: Desde o momento em que sejam diagnosticados alterações, já se pode intervir. Este é sem dúvidas o grande ganho da OFM - nada de esperar estragar para depois tratar, como dizia o Mestre Pedro Planas. Embora a prevenção (que não é tratamento) deva inciar mesmo na barriga da mamãe, com informações e dicas para os pais de forma a que não venha ocorrer os problemas na criança).
 
Com que idade deve-se fazer a primeira avaliação com a OFM?
L: A primeira visita ao dentista é muito importante e, quanto mais cedo melhor. Antes dos 2 aninhos, de preferência, pois aos 2 anos de idade quando a criança já possui a dentição de leite completa na boca (20 dentes). Neste momento já se pode observar desvios de rotas no crescimento do andar inferior da face ou, ainda, se pode constatar a instalação precoce de hábitos perniciosos que poderão levar a alterações futuras. Estas consultas eu chamo de Consulta do Bebê Saudável.

O que é feito em uma consulta com um bebê? Fala são do bico e da mamadeira?
L: Também. Mas não só isto. Nós temos um protocolo de consulta do Bebê Saudável:
• Anamnese completa;
• Avaliação da Respiração;
• Avaliação dos estágios de crescimento crânio mandibulares;
• Avaliação dos estágios de erupção dentária;
• Avaliação dos tecidos moles e anexos;
• Avaliação posicional da língua;
• Avaliação clínica das gengivas e\ou dentinhos;
• Avaliação de hábitos nocivos em instalação;
• Aconselhamento na instalação de hábitos saudáveis;
• Aconselhamento para a manutenção da saúde oral do bebê com calendário de monitoramento do dentista;
• Aconselhamento alimentar para o bom desenvolvimento das estruturas orais;
• Fotografias do bebê para monitoramento posterior dos crescimentos da mandíbula;
• Bate pronto -  resposta a toda e qualquer dúvida particularmente levantada, pelos pais, responsáveis e acompanhantes.
 
Nossa! A Sra. falou em hábitos em instalação, como assim?
L: Uma alteração funcional por hábito, pode acontecer com qualquer pessoa e em qualquer idade. Emergências podem acontecer. O problema é permanecer como hábito.
 
Pode dar um exemplo?
L: Há muitos, mas vamos nos focar em um mal que assola grande parte das nossas crianças e adolescentes - a inversão da respiração, que deixa de ser nasal e passa a ser oral. Esta inversão pode ter acontecido porque durante uma gripe, o nariz se fechou e não era possível respirar. O corpo imediatamente abre outra via para se manter a vida - a boca. Na maior parte dos casos o indivíduo acha mais fácil (e é mesmo) respirar pela boca e, passado o evento, assimila este hábito como correto.
 
Se é mais fácil respirar pela boca, como a Sra. disse, por que não se deve fazê-lo?
L: Porque é o nariz que tem a prerrogativa de equalizar o ar que entra nos nossos pulmões. Ele é quem tem a capacidade de aquecer ou resfriar o ar, de umidificar ou secar, e inclusive de limpar as partículas sólidas e até grumos de bactérias. A boca só tem o buraco e a conexão para o pulmão, não pode fazer mais nada porque ar não se mastiga. Aqui estamos com ar condicionado, se estivéssemos respirando pela boca, o ar chegaria aos nossos pulmões a ....18 graus Celsius, seco, com poeira e tudo mais. Imagina só...
 
Tem um outro exemplo de hábito pernicioso que possa alterar a forma e a função da boca?
L: Sim, o caso de uma pessoa que está com problema de dor, cárie, restauração alta, selante, ou perdeu dentes, por exemplo. Ela passa a mastigar do outro lado ou em posição de acomodação, rotineiramente, e pode causar desvios ósseos e dentários. Também há outros hábitos complicadores como roer unha, mastigar roupa ou cabelo, morder a língua, morder lápis, caneta, utilizar goma de mascar por horas e dias a fio, ingerir basicamente alimentos moles e macios,...
 
E aí o que se pode fazer quando o hábito está instalado?
L: Quando o problema está instalado, o tratamento pode passar por três tipos de decisão: retirada dos estímulos inadequados; re-introdução dos estímulos corretos ou atuação in loco. Naturalmente que a OFM quando atua in loco, privilegia estes 3 pontos.
 
Queria que a Sra. Falasse sobre o tratamento com crianças, deve ser muito mais difícil.
L: Para mim, as crianças são tudo de bom. Adoro trabalhar com elas e respondem com muita responsabilidade ao tratamento. Quando se atua com crianças, considero o envolvimento da família, o ponto mais importante no tratamento. Por isto é muito importante que os pais sempre acompanhem os filho. Também é preciso conversar com linguagem adequada para cada idade, criando estímulos adicionais. Isto causa motivação em todos os envolvidos no processo e é o caminho para o sucesso.
 
Dra. Lídia, porque os Aparelhos Ortopédicos Funcionais são soltos?
L: A OFM sob a Visão Neuro Oclusal atua através de um caminho neural, de uma rede neural, integrada pelos neurônios. Ou seja, invés de empurrar dentes usando a força, a OFM atua estimulando neuralmente o osso, para que se desenvolva ou se remodele. E, para que o osso atenda este pedido, ele precisa de atuações fracas e intermitentes do aparelho. A melhor forma de se conseguir isto, é mantendo os aparelhos soltos dentro da boca.
 
A que faixa etária a Ortopedia Funcional dos Maxilares se destina mesmo?
L: A Ortopedia Funcional está apta a atender clientes de todas as idades. Insisto que o ponto fundamental para tomada de decisão para tratar ou não, é o diagnóstico.
 
O que causa o mau posicionamento dentário?
L: Devemos sempre lembrar que cada caso é um caso e que não há uma única resposta para todos os males. Se retirarmos as causa genéticas, as de nascimento e perdas dentárias, podemos exemplificar, entre outros, dois pontos de grande relevância como causa alterações morfo-funcionais: a alimentação industrializada e a respiração bucal.
 
Por que alguns fisioterapeutas encaminham seus clientes para tratamento com o Ortopedista Funcional?
L: O corpo como um todo é um sistema aberto com controles automáticos e circuitos interligados e integrados. O fisioterapeuta e o Ortopedista Funcional sabem que existe tanto as alterações ascendentes (do pé para a cabeça) quanto as descendentes (da cabeça para o pé). Nestas últimas, é que o Ortopedista Funcional pode e deve atuar. Ora o aparelho mastigador é integrante do sistema postural e meio caminho entre a musculatura posterior e anterior do corpo. Quando as arcadas dentárias estão em posição que fuja da normalidade ela altera todos os músculos do sistema estomatognático e por conseqüência do sistema postural. Por isto é tão importante trabalhar interdisciplinarmente. Uma ciência ajuda a outra a recuperar com maior velocidade e maior estabilidade as alterações perniciosas ao corpo.
 
Estes aparelhos dão cárie?
L: Não. A moderna odontologia sabe que a cárie é uma doença comportamental, ou seja depende, basicamente, da freqüência de ingestão de alimentos cariogênicos e da freqüência de escovação. O uso dos aparelhos ortopédicos melhora e muito a freqüência da escovação, assim como também melhora a ingestão de alimentos duros, secos e fibrosos - de baixa cariogênicidade. Na prática, o que se vê, é a quase inexistência de cáries em usuários de aparelhos ortopédicos - principalmente aos que estão atentos aos protocolos do tratamento.
 
Os tratamentos com OFM são duradouros?
L: Sem dúvida, quando o tratamento é levado até o final previsto pelo Ortopedista Funcional, e mantido os cuidados com os hábitos deletérios futuros, ele raramente recidiva.

Uma pessoa conhecida, que tem muita dor de cabeça, fez exames neurológicos e o Neuro mandou procurar um dentista que trabalhasse com OFM. Isso está certo?
L: Sim, quando o médico não possui uma cefaléia inespecífica e suspeita, de problemas de ATM (Articulação Têmporo-Maxilar) ou DTM (Disfunção da Articulação Crânio Mandibular), ele busca encaminhar o cliente para o Ortopedista Funcional dos Maxilares. Esta especialidade está plenamente adequada para diagnosticar e tratar casos de distúrbios de ATM, ou DTM, onde a dor de cabeça aguda ou crônica inespecífica, é um dos sintomas.

E sobre ronco?. A OFM pode ajudar?
L: Sim. O ronco é um ruído de baixa freqüência produzido somente durante o sono e que de inofensivo não tem nada, pois se sabe, pode estar associado a morbidade vascular em pessoas de meia idade, independente de outros fatores de risco. Em nosso entendimento, o ronco é um sintoma. Normalmente estão envolvidos no ronco no sono, a úvula, o palato mole, as paredes faringeanas, a epiglote e a língua. Também há casos de ronco após cirurgias estéticas de nariz (rinoplastia). O ronco pode ser sintoma de Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) e de Hiper Resistência de Vias Aéreas Superiores (SHVAS). Quando se recebe um cliente encaminhado por ronco, a anamnese é muito detalhada devido aos distúrbios do sono. Além dos exames de rotina da OFM, também é solicitado exames de Polissonografia, por exemplo, para descartar SAOS (apnéias severas),  que poderiam exigir, também tratamentos conjuntos com o médico do sono: com medicamentos específicos, ventiladores do tipo CPAP nasal ou Bi-PAP. Como sempre repito: o diagnóstico é, mais uma vez o ponto importante.
 
Outro ponto que eu gostaria de explorar é se a Ortopedia Funcional dos Maxilares, também extrai dentes para colocar aparelho?
L: Não, com certeza não. Embora possa existir algumas correntes da ortopedia que fazem extração. Em nossa experiência clínica nunca houve necessidade de nenhuma extração dentaria.
 
Eu gosto muito de futebol e tenho visto alguns atletas no seu consultório. Porque eles vão lá?
L: Atletas profissionais, como jogadores de futebol, por exemplo, são pessoas como nós, porém possuem o corpo como sua oficina de trabalho. Muitos deles possuem grandes e severas alterações morfo-funcionais na boca - herança dos tempos em que ainda brincavam com a bola de futebol. Como investem muito no corpo, com exercícios, técnicas, alimentos e suplementos alimentares - para terem um excelente desempenho físico e resultados acima de suas marcas, na maior parte das vezes, nem eles, nem seus técnicos, se dão conta que possuem alteração funcional na boca e por conseqüência na articulação (ATM). Como sabemos há as alterações descendentes, que expliquei mais acima, e por mais que o médico e o fisioterapeuta ou o educador físico façam, os rendimentos físicos podem começar a cair, após um pico de grande desgaste físico. Então, atletas de várias modalidades como tenistas, esgrimistas, golfistas, futebolistas, etc... de espírito livre e abertos a evolução da ciência, procuram o Ortopedista Funcional para que se diagnostique se há alterações morfo-funcionais no aparelho mastigador/no sistema estomatognático, que possam estar causando perturbações no equilíbrio do sistema tônico postural como um todo.
 
Atleta que tem problema na ATM, também tem problema no corpo?
L: Então foi o que quis dizer. O atleta e qualquer pessoa que tenha uma DTM pode ter alteração no corpo ou vice -versa.  A ATM se destaca na influência de toda a conjuntura e arquitetura corporal. E quando ela está desequilibrada pode desequilibrar o edifício humano como um todo, e em qualquer um de nós. Agora, no caso dos atletas, estar desequilibrado é falar em resultados fracos.
 
Como assim?
L: Bem, a ATM é considerada pelos modernos fisiologistas como a mãe das articulações e se ela está com alguma alteração espacial ou funcional, por exemplo, ela irá com certeza, alterar outras articulações do corpo através das cadeias musculares que são interligadas. Isto acontece com todos nós e está dentro de tudo o que já se falou antes, porém, focando no atleta profissional que se destaca pela busca do desempenho, ter um problema destes pode ter resultados desastrosos, como temos visto, em todo o mundo. Muitos podem perder marcas, recordes e até encerrar carreiras mais cedo, sem saber o porque. Hoje os clubes reconhecem os Dentistas Ortopedistas Funcionais dos Maxilares como grandes aliados no sentido de mapear, diagnosticar e tratar distúrbios pré-existentes da ATM e dos distúrbios morfo-funcionais da boca e seus anexos. Desta forma buscam aumentar a eficácia da técnica, da tática e da preparação física nestas exuberantes máquinas humanas, do business esportivo.
 
Quantos especialistas em OFM existem no RS?
L: A Ortopedia Funcional dos Maxilares é desenvolvida no Brasil há mais de 50 anos. Hoje há aproximadamente 300 especialistas no RS. Porém também cabe explicar que há perto de 15 diferentes técnicas de Ortopedia Funcional dos Maxilares. A que nós trabalhamos é a Ortopedia Funcional dos Maxilares sob a Visão Neuro-Oclusal.
 
Falei com meu dentista sobre este tratamento e ele não sabia nada sobre o assunto. Porque os Dentistas não conhecem a Ortopedia Funcional dos Maxilares?
L: (risos) Este é um assunto complexo e polêmico. Provavelmente é porque as universidades brasileiras ainda não estão abertas a esta ciência (somente ao estudo da Ortodontia e Ortopedia Facial que possui outros princípios e técnicas). Nosso sonho é de que rapidamente as universidades abram suas mentes e suas portas a novos conhecimentos. Isto faz parte da evolução da ciência e a Ortopedia Funcional dos Maxilares sob a Visão Neuro Oclusal é a prova cabal disto. Meu desejo é que brevemente toda a comunidade científica saiba mais sobre esta ciência. Todos ganharão com isto, principalmente a sociedade.  Fui a Coordenadora do Primeiro Curso de Especialidade em OFM, atendendo a uma votação de meu nome, por unanimidade, realizadas pelas diretorias à época. Este curso encerrou, em dezembro 2006 com um alinda cerimônia,m  onde tive a honra de ser a paraninfa.  A mantenedora do curso é a SOBRACOM (Sociedade Brasileira de Correções Odonto-Maxilares), com sede em Porto Alegre. Este curso de Lato Senso é chancelado pelo Conselho Federal de Odontologia e autorizado pelo MEC.
 
Quando abre nova turma?
L: Isto eu não sei. Como o vice-presidente da SOBRACOM Dr. Delani requereu a coordenação pra si, já não sei as informações corretas. Porém basta entrar em contato com a Entidade que com certeza terão todas as informações.
 
Tem pessoas que fazem um click quando a boca se abre e se fecha e às vezes até quando mastiga. O que é isto?
L: Ouvir um som (click) na movimentação da mandíbula é um sinal freqüente em casos de Distúrbios na ATM, mesmo sem a presença de dor.
 
:Qual a causa do click?
L: A causa do click é variada: deslocamento do disco articular, subluxação, perfuração do disco articular, desvios de forma no osso articular (côndilo), ..., entre outras causas. O mais comum é deslocamento do disco com redução ou sem redução. A prevalência do click, é de aproximadamente 40% da população.  
 
Tem tratamento?
L: Sim, a própria Ortopedia Funcional tem excelente experiência nestes tratamentos, assim como outras especialidades da Odontologia. O importante é fazer o diagnóstico correto.

Os dentes podem estar certinhos, um com o outro e, ainda assim ter problema de ATM?
L: Sim, sem dúvida. Aliás isto é mais comum do que se deseja.
 
Como se sabe se há algum problema de ATM, mesmo os dentes estando certinhos?
L: Normalmente é necessário um detalhado exame Ortopédico Funcional para se achar evidências clínicas, e, após, proceder alguns exames complementares para sua confirmação. Porém, há casos em que a pessoa, mesmo com os dentes bem relacionados e posicionados, apresenta sintoma doloroso (dor na cabeça, dor na região da ATM, na região dos músculos mastigatórios, dor na sobrancelha, fundo do olho, na região do ouvido, na base do crânio, nos músculos do pescoço, por exemplo). Via de regra estes casos são encaminhados, pelos Homeopatas, Neurologista, Psiquiatras, Otorrinos, Clínicos, Fisioterapeutas, Psicólogos, Professores,..., para uma avaliação com o Ortopedista Funcional dos Maxilares. Em muitos deles, se concretiza a suspeita de Distúrbios Têmporo Mandibular (DTM).
 
É melhor fazer cirurgia ou tratar com Ortopedia Funcional os problemas de ATM?
L: Esta pergunta não é possível responder porque sua resposta recai sempre sobre a parte mais importante de qualquer tratamento: o diagnóstico.
 
Quais os limites da OFM?
L: Ótima pergunta. A OFM não é panacéia para todos os males e possui com certeza, muitos limites. No meu ponto de vista, o que há de muito bom na Ortopedia Funcional dos Maxilares é que ela busca ver o corpo como um todo - interligado em suas teias ósseas, musculares, neurais em seus diversos sistemas. Apresenta, ao mundo científico, a boca como um importantíssimo captor do sistema tônico postural - simultaneamente interno e externo, e mostra que uma alteração em um dos componentes da boca (Octógono da Dra. Wilma Simões) provoca alteração no corpo como um todo - em maior ou menor grau de severidade. A notícia ótima é que a Ortopedia continua suas pesquisas de bases científicas, com diversos cientistas de notório saber como Dra. Wima Simões, Dr. Marcos Gribel e outros, avançando assim em conhecimento e tratamentos, sempre o mais precoce possível e de forma não invasiva.
 
O que é certo: devo ficar com a boca entre aberta para não apertar os dentes, ou ficar com a boca fechada e com os dentes apertados?
L: Nenhuma das duas opções estão certas. Primeiramente, os dentes nunca devem ficar cerrados ou mordidos (se isto acontece, é um distúrbio chamado apertamento dental e deve ser imediatamente tratado). Eles somente podem se tocar na hora de engolir os alimentos e em nenhum outro momento. OK?  Sobre a boca aberta é o seguinte: os lábios devem estar sempre selados (fechados) quando a boca não estiver aberta por necessidade funcional. Os casos em que se observam pessoas constantemente com os lábios entre abertos, pode ser sinal de Respiração Bucal (RB) e aí já se viu, mais acima, os prejuízos que podem advir para o corpo todo. Resumindo: mantenha seus lábios selados e os dentes sem se encostar!
 
Bruxismo acontece só de noite?
L: Freqüentemente, durante o sono, costuma acontecer o esfregamento dental com o conhecido ranger de dentes, que pode ter som alto ou baixinho. Na vigília, há a preponderância do apertamento dental. Ambos são tipos de bruxismo ou briquismo, e, podem acontecer tanto durante o sono quanto na vigília.
 
O tratamento do Bruxismo é com as plaquinhas?
L: Sobre tratamentos, eu sou uma defensora férrea do diagnóstico. Ou seja, antes de se pensar em tratamento é preciso pensar em causas.
No caso de tratamentos de Bruxismo ou Apertamento com placas inter-oclusais, devemos pensar que estamos tratando apenas sintomas, ou seja, cuidando para apertar tanto para não quebrar os dentes. Porém, e no meu ponto de vista, para tratamentos efetivos, deve-se procurar a causa fisiológica - que tanto pode ser um dente alto, selante, encaixe dentário inadequado, mordida cruzando, problemas na ATM, entre outras.
 
Mas a causa do Bruxismo não é emocional?
L: Situações de tensão ou stresse emocional costumam ampliar, exacerbar os sinais e sintomas de Bruxismo. Por isto, costumamos trabalhar interdisciplinarmente com psiquiatras, psicólogos e filósofos clínicos - profissionais vocacionados para trabalhar a historicidade de cada um.Trabalhar em equipe é um ganho para todos os envolvidos no processo.
                            
Tem algumas pessoas, jovens mesmo, que a boca parece meio murcha (risos). É verdade isto ou é impressão?
L: Não sei bem o que queres dizer com boca murcha, porém, considerando a experiência e de já ter ouvido o conceito em queixas de clientes -  via de regra, estas pessoas, por algum motivo, estão perdendo Dimensão Vertical (altura do andar inferior da face - que vai do queixo até a base do nariz), ou está muito pra trás. A boa notícia é que existe melhora. O tratamento de escolha pode ser  com o Dentista Clínico, com o Protesista, com o Ortopedista Funcional ou com outros especialistas da Odontologia. Novamente vou dizer: o importante é diagnosticar a causa do que está acontecendo para se decidir pelo tratamento.
 
Se a criança faz tratamento precoce com OFM, depois, na adolescência vai ter que usar aparelho fixo?
L: Se o tratamento é feito em toda a sua extensão, com atenção aos protocolos do início ao fim e se buscou localizar e solucionar os problemas, e na minha experiência, não é necessário usar, mais adiante, aparelhos fixos, da especialidade co-irmã, a Ortodontia. Mas cada profissional tem sua casuística e opinião.
 
Como se limpa os aparelhos Ortopédicos?
L: Com escova própria para aparelhos, creme dental e muita água pura.

Eles não ficam com cheiro ruim?
L: (risos) Bem a higiene de um aparelho ortopédico funcional deve ser feita toda vez que se proceder a escovação dentária. Deve-se usar um escova especial, creme dental sem poder branqueador, água fria e escovar muito bem. O cheiro, normalmente fica quando ou não se escova após as principais refeições, ou se escova com a própria escova de dentes que é macia demais para um aparelho. Também, é comum, pessoas com o hábito da RB ficarem com cheiro forte no aparelho. Isto se deve a oxidação da saliva pelo oxigênio do ar. O Ortopedista Funcional pode ajudar em cada um destes dilemas. Conversar sobre as dúvidas e dificuldade é fundamental para o sucesso do tratamento.
 
Eu acho nojento tirarem o aparelho na minha frente e na hora da comida!
L: (risos) Realmente é! Para isto costumamos recomendar aos nossos clientes, uma tática de remoção do aparelho de forma a que os demais não vejam. Assim, todos se sentem bem! É um jeitinho bem charmoso!!
 
Há tempos atrás, tive muita dor de dente e o dentista não conseguia saber qual dente era. Mas era muita dor! Foram feitos rx, testes e até tratamento de canal. Depois de algum tempo, a dor recomeçou e acabei arrancando o dente, sem ter nada. Fiquei sabendo que poderia ser um reflexo de dor, é verdade?
L: Não posso opinar, porque não participei do caso. Porém, há situações de trigger points que podem dar dor reflexa em dente, sim. Nestes casos o Ortopedista Funcional pode ajudar no diagnóstico diferencial.
 
É verdade que o estrabismo pode ser curado com OFM?
L: Curar não é o termo. Dependendo do diagnóstico e ao se conseguir restaurar a posição, em maior ou menor grau, dos ossos relacionados com os olhos (como o do maxilar que faz parte da cavidade óssea ocular) se pode melhoooooraaaaar alguns casos de assimetria, de convergência ocular.

Me disseram que uma pessoa com estrabismo é torta. É mesmo?
L: Isto eu não sei. O que sei é que o olho, assim como o pé e a boca são captores de informações sensitivas, externas e internas, do sistema tônico postural corporal. Neste sentido, é  possível que pequenas alterações ou acomodações ósseas e musculares corporais, interfiram na posição do olho. Este é um assunto polêmico e que já começa a ter muitos estudos e pesquisas a disposição dos profissionais. Bernard Bricot é um pesquisador francês e nosso professor, que vale a pena estudar. Pessoalmente eu procuro ter em minha equipe interdisciplinar, Fisioterapeutas e Oftalmologistas para estudarmos casos como estes, com critério muito apurado.
 
Nossa, que interessante! Então a boca captura informações?
L: Sim! A boca, juntamente com os pés e os olhos, é um grande captor de informação da postura tônico postural, para o cérebro. É por isto que a colocação de aparelhos ortopédicos funcionais nos maxilares ajuda na restauração do equilíbrio do sistema estomatognático, por conseqüência, ajudam o re-equilíbrio de todo o corpo, inclusive restaurando a força corporal. Muitas pessoas não tem força nos braços, por ex. Quando coloca o aparelho (que leva a mandíbula para uma determinada área, levando as ATMs para mais próximo da localização ideal) sentem a força retornar. Bem a gente faz um teste na hora e é impressionante.  É lindo de ver isto acontecer em pessoas comuns e, em atletas mais ainda!
 
Como são estes testes?
L: Bem, existem diversos testes, mas é melhor fazer do que explicar. Os fisioterapeutas também fazem vários testes e inclusive o do calço molar é muito usado para descobrir se os distúrbios são ascendes ou descentes. Se são descendentes o cliente é encaminhado para trabalho conjunto com o Ortopedista Funcional dos Maxilares e vice-versa.
 
Tô achando meio demais... A boca atrapalha o pé e a posição do corpo todo?
L: (risos). Muitos sentem que nem você, mas é verdade e é totalmente comprovado. Hoje temos exames super sofisitcados como a Baropodometria e a Estabilometria que provam esta verdade.
   
Tenho aqui anotado duas matérias que li na Revista Saúde e fiquei impressionado. A primeira era sobre as reabsorções nas raízes dos dentes quando se usa aparelho ortodôntico. É verdade?
L: Os aparelhos ortodônticos (fixos ou móveis), normalmente fazem força e pressão sobre as raízes dentárias para fazer as trações. Quando estas forças são de uma potência que o organismo encara como trauma pode ser deflagrada a reabsorção da raiz dentária. Eu mesma, sofri uma reabsorção deste tipo, na raiz do meu incisivo central e, depois de 24 anos, vim a perder totalmente o dente - porque não foi possível parar ou regredir a reabsorção iniciada com o uso de um aparelho fixo, lá no passado. Porém, e como sempre digo, a ciência odontológica está em evolução, e atualmente estes casos são raros, na especialidade co-irmão, Ortodontia. Outra coisa que quero falar é que a reabsorção radicular, pode acontecer, também, por outros motivos - sempre relacionados com excesso de pressão, como por exemplo um bruxismo severo, entre outros casos. O Cirurgião Dentista clínico ou especialista, são os profissionais habilitados para diagnosticar preventivamente tais casos.
 
A outra matéria era sobre o sono das crianças e as notas baixas. Quem  dorme mal não consegue aprender direito?
L: Adoro este tema e estudo muito, como Membro da Sociedade Riograndense do Sono, da qual faço parte. É um assunto que me agrada muito e tem grande incidência dentro do consultório. Este tema precisa de muita luz...Não se sabe bem porque dormimos, provavelmente para descanso e revezamento celular.Não é uma questão mental e sim física e fisiológica. penas pequenos grupos da população (2 ou 3%) podem dormir pouco (sem falar do idoso, que tem menor desenvolvimento contínuo de sono). Sabemos que a necessidade de sono é real e que quando não a cumprimos, geramos um débito de sono que nos causa vários problemas e sofrimento, independente da idade. Hoje em dia a maior parte das crianças está com hábitos e higiene do sono muito ruins. Se pensarmos que há uma grande maioria, das nossas crianças e adolescentes, que dormem muito tarde (depois da 21:30h); que possuem muitos atrativos dentro dos quartos (Tv, Pc, I pods, telefones celulares,telefones fixos, som, rádio relógio, etc...); que não dormem no escuro total (alterando profundamente os relógios biológicos); que a noite é um único momento de maior contato familiar (discussões, correções, revisão dos temas escolares, atividades em família, brincadeiras, ...); que também utilizam a noite para diversão (visitar shoppings, cinemas - com filmes de alta tensão ou muito emocionais; para fazer exercícios e treinamentos físicos,...); que apresentam distúrbios gerais do sono (insônia, ronco, apnéia,  síndrome das pernas inquietas, terror e pesadelos no sono, sonambulismo, etc...); que muitas crianças estão com peso acima do esperado (comendo muitos alimentos repletos em calorias vazias); que tantas, tomam medicações noturnas (interrompendo o sono para tomar, e podendo causar rebotes de sonolência durante o dia, etc..);que muitas estão com doenças física ou emocionais (sentido-se com medo e sós); e que um grande número de crianças e adolescentes possuem respiração bucal (por alergias, obstrução nasal (pólipos, desvio de septo, ...), ou respiração bucal por hábito e o que é mais comum, por  diminuição do tamanho da boca, etc..) - é fácil entender que há muitas crianças portadoras de débito contínuo de sono e por conseqüência podem apresentar maior dificuldade de concentração, retenção de memória e com certeza notas baixas. Quando notas baixas são a constante, é preciso cercar o caso de muito carinho e atenção. Além de olhar criteriosamente o relacionamento familiar, as performances de cada um e de falar com professores, com os pedagogos, com o psicólogo - é importante consultar médicos e dentistas que estudam a Medicina do Sono. Eles são os profissionais que podem avaliar e diagnosticar estas questões relacionadas ao sono.
 
Nossa! Agora fale sobre o zumbido no ouvido.
L: Este é um problema muito comum entre os adultos. O zumbido ou acúfeno (Síndrome de Meinière) se apresenta muitas vezes como um ruído de rádio mal sintonizado, apito, mosquito, etc... Normalmente incomoda muito no silêncio do sono, sendo um causador de insônia. Quando não se encontra causa para o zumbido é de se pesquisar a disfunção de ATM. Nela há um ligamento muscular bem fininho (ligamento articular-maleolar) que vai até os ossículos da orelha e se fixa no martelo. Quando a ATM está mal posicionada, pode manter este ligamento sob tenção fazendo o martelo ‘zumbir’.
 
Tem muita s pessoas e até profissionais que dizem Ortopedia Funcional dos Maxilares não funciona que é picaretagem (desculpa, mas é o que dizem!)
L: É verdade eu mesma já ouvi muito este tipo de opinião, porém são de pessoas ou de profissionais muuuuuuuito mal informados.
 
Onde se usa Ortopedia Funcional fora do Brasil?
L: A grande maioria dos países da Europa usa Ortopedia Funcional dos Maxilares.
   
Quais países?
Itália, Inglaterra, França, Alemanha, Suíça, Suécia, Dinamarca e muitos outros.
 
Os aparelhos Ortopédicos Funcionais atrapalham para falar? Vi que falam com a boca fechada, e como sai a voz sem os dentes?
L: Nos primeiros dias pode atrapalhar um pouquinho, porém, fazendo o protocolo direitinho, não atrapalha mais. Agora as palavras, os fonemas não precisam dos dentes para saírem da nossa boca. Se fosse assim, os desdentados e temos milhões deles no Brasil, não poderiam falar. Pense nisto...

 
     
     
  Dra. Lídia Sabbadini
Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares
Cirurgiã Dentista CRO-RS 4840